quarta-feira, maio 18

Só o Google salva

Esse post é bem informativo. Para quem quer descobrir uma forma de mudar o tipo de visto, estando no país estrangeiro.

Primeiro eu preciso dizer que, ou sou sortuda (o que seria bem estranho me conhecendo como conheço), ou realmente os órgãos de imigração dentro e fora dos EUA são mais simples do que muita gente disse que eram. Para mim, tudo aconteceu tranquilamente e tudo que pedi foi permitido - com os devidos pagamentos feitos, claro.

Pois bem, falando em questões práticas. Vim fazer um curso de inglês na UCDavis e tirei o visto F-1, de estudante. Ele me permitiu entrar no país um mês antes das aulas começarem e ficar aqui dois meses depois de terem terminado.

Só que eu, que vim encontrar o namorado, queria ficar mais tempo com ele - quer dizer, mais tempo treinando meu inglês, claro. Para isso, precisaria mudar para a categoria B-2, de turista. Então, como no próprio curso tinha uma pessoa responsável pela imigração, fui perguntar como deveria agir.

A resposta que recebi foi a seguinte: "para trocar de visto SÓ saindo do país e entrando de novo, com visto de turista". Insisti e ouvi que NÃO EXISTE NENHUMA OUTRA POSSIBILIDADE DE FAZER ISSO.

Pois bem, desconfiando dessa certeza, comecei a vasculhar na internet e caí no site da imigração. E lá, encontrei muito simples e claramente explicações e formulários sobre como pedir mudança de visto, já estando no país.

Preenchi os tais formulários e escrevi (como vocês já sabem) que gostaria de ficar aqui junto com meu namorado - que voltaria para o Brasil só em julho - para viajar e treinar mais meu inglês. Mandei meus documentos, os de Rodrigo, os comprovantes bancários que juntei no ano passado para pedir aprovação da escola e, claro, paguei U$290 sem nem ter certeza se a resposta seria positiva. Mas você paga só para mandar os papéis. Aqui você só não paga pela água em bares, restaurante e lanchonetes. Só isso é de graça.

A estimativa de tempo para resposta era de 2 meses e meio. Em um mês - extamente - recebi a confirmação da mudança feita.

No fim das contas, a lição que fica é: nunca acredite nas pessoas. Confie no google.

Segue o site da imigração, caso alguém se encontre na mesma situação que eu e precise de informações.

Um comentário: