quarta-feira, novembro 17

Assustador, mas nem tanto

“Tudo depende do entrevistador; se você pegar alguém que esteja de bom humor naquele dia, ótimo”. 

Ouvi e li muito sobre isso. Fiquei em pânico até o momento de chegar na embaixada dos Estados Unidos em SP para tirar meu visto. Nunca fui do tipo sortuda e, pensar que dependeria disso para garantir minha entrada no país tirou meu sono por várias noites.

Foi assim: passei pouco mais de um mês juntando toda a documentação necessária. Primeiro para a Universidade da Califórnia. Passaporte e comprovantes de que eu poderia me manter no período do curso (ou ser mantida, no meu caso pelos extratos bancários de pai e tio, além de uma declaração assinada por eles confirmando tudo, juntamente com os meus extratos).

Paguei taxas, recebi documentos, preenchi a ficha no site da embaixada – respondi até sobre minhas possíveis ligações com terroristas – e no dia marcado cheguei no consulado com uma pasta recheada de papéis.

A marcação para quem vai pedir visto de estudante é mais fácil do que de turista. Uma dica para quem tem pressa é passar o dia atualizando a home onde aparecem as datas disponíveis. Às vezes surgem brechas e, de repente, ao invés de fevereiro de 2011, eis que aparece para quarta da semana seguinte.

No site fica muito bem explicado o que é necessário levar para comprovar seus vínculos com o país e descartar que você seja um imigrante ilegal em potencial que quer morar por lá e viver o american way of life.

Eu não tenho bens em meu nome, nem carteira assinada, nem emprego fixo. Principalmente por isso preferi não arriscar tirar o visto de turista para ficar mais tempo por lá e percebi que foi a melhor escolha.

Apesar de entrar em pânico diversas vezes escutando conversas nas imensas filas – são várias – sobre o que devia ter levado ou não (RG, comprovantes de votação etc), tudo foi muito simples e até os funcionários foram menos grosseiros do que já haviam me dito que seriam.

No fim das contas, não apresentei absolutamente nada do que levei – separei contrato social da minha empresa, recibos que passei comprovando que ela estava ativa e que trabalhei todos os meses, matérias publicadas para provar que realmente sou jornalista e estou no mercado, os já citados extratos bancários. Não apresentei nada mas tinha tudo ali e, caso pedissem, eu poderia provar a verdade das palavras.

Em uma entrevista meio em inglês meio em português respondi que iria estudar na universidade, que moraria em Davis, que daria um tempo no trabalho aqui para continuar quando voltasse e nada de muito detalhado em menos de 10 minutos de conversa.

Tudo bem que, pela primeira vez na vida, fiquei observando as cabines e pensando “queria que aquela moça ali me entrevistasse; ela até sorriu para algumas pessoas no final da conversa”, e eis que foi exatamente ela quem me entrevistou.

Sorte?

2 comentários:

maria eme bê disse...

talvez. mas disciplina também. você fez tudo certinho, a probabilidade de dar errado diminuiu (para zero, no caso). mas dedos cruzados sempre ajudam. ;)

RAMON(ES) disse...

Que bom que deu tudo certo.
E aí, viaja quando?