segunda-feira, dezembro 27

O Natal no hemisfério norte

Aqui não neva. Nenhum coral com pessoas felizes bateu na nossa porta e entoou musiquinhas festivas.

Fora algumas luzes em casas e árvores, detalhes decorativos, guirlandas nos ônibus e pessoas usando gorros iguais ao do Noel contra o frio, a Avenida Paulista estava mais natalina do que Davis.

A noite do dia 24 aqui em casa foi como qualquer outra. Mas no dia 25 fomos convidados para um jantar, esse sim, natalino dos típicos.

Foi na casa do orientador de Rodrigo, que mora nos EUA há uns 30 anos, é casado com uma americana* e tem 3 filhos com dupla cidadia. Mas todos falavam português na casa, o que facilitou muito minha vida.

Na verdade, antes de entrar nas questões típicas da época, preciso descrever aqui a surrealidade de três línguas faladas ao mesmo tempo em um só ambiente. Era assim: eu falo bem português (pelo menos), enrolo com um espanhol tosco e entendo inglês mas não consigo falar. Rodrigo fala bem e entende bem tudo.

Leopoldo (o anfitrião) e família falavam inglês, português - e acredito que sairia um bom espanhol dali também. David, um amigo dos meninos, é dos EUA, tinha acabado de chegar do México - espanhol ok - mas não falava nada de português. E por fim, Elaine - acho - uma amiga da família que ensina alemão em Berkeley e fala inglês. Às vezes na mesa durante o jantar, as frases eram intercaladas. Divertido.

Pois bem, os Bernuccis vivem em um local mais afastado de onde moramos, onde vi casas grandes que investiram mais na decoração, com luzes que acompanhavam músicas e até mesmo figuras infláveis do Papai Noel com camiseta, bermuda e chinelo, no melhor estilo tropical - o que deveria ser totalmente adotado no Brasil, em minha humilde opinião.

Fora o frio, lareira acesa e o pinheiro imenso de natal na sala, o mais diferente da noite - nos entupimos de vinho e entradinhas deliciosas como faríamos no Brasil - foi a forma de preparar o peru: frito, mergulhado em um mega balde de óleo. Minhas veias explodiram só de olhar. Mas no fim de tudo, quando chegou na mesa desfiado, nem era possível reparar no modo de preparação.

Peru com purê de batata - começo a desconfiar que esse seja o acompanhamento preferido dos "locais" para a comida - e um molho sensacional de cranberrys. Tivemos agradecimentos dos anfitriões e momento "wishes" onde cada um dizia o que esperava para o próximo ano.

No fim da noite, alguns estavam levemente bêbados olhando para uma mesa entupida de tortas, cookies, brownies e pensando como é possível se comer tanto açúcar nessa terra, enquanto outros passavam horas e horas olhando livros raros.

Posso não ter conseguido comer nenhuma sobremesa após o jantar - não cabia -, mas é claro que saí de lá com um prato imenso de doces e uma plantinha de lembrança.

Noite boa, agradável e acolhedora de Natal.

* eu tento não usar "americana" porque americana também sou, mas isso se tornou um lugar comum dos mais comuns e fica difícil escrever estadunidense o tempo todo sem achar esquisito.

2 comentários:

Priscilla disse...

papá,
i wish you a merry xmas!
=)

love,
priscilla

RAMON(ES) disse...

Faltou uma foto do prato principal, mas só os doces já deixaram com água na boca.